Inicío  »   Reguengo Grande
 Freguesias  
AtalaiaLourinhãMarteleiraMiragaiaMoita dos FerreirosMoledoReguengo GrandeRibamarSanta BárbaraSão BartolomeuVimeiro
 Lojas / Serviços 

Reguengo Grande

FREGUESIA DE REGUENGO GRANDE SITUAÇÃO E ORIGEM DA FREGUESIA

     A Freguesia de Reguengo Grande, situada no extremo Norte do distrito de Lisboa, é também a freguesia que delimita o Concelho de Lourinhã a Nordeste. Estende-se desde o Vale de Flandres, local onde ocorreu a Batalha da Roliça, nas Invasões Francesas, até ao Planalto das Cezaredas, onde, segundo a história, as tropas de Júlio César acamparam e onde encontra os limites da Freguesia do Moledo, esbarrando depois a Sul com a freguesia da Moita dos Ferreiros.

     Terra muito antiga, desconhece-se a sua origem sabendo-se no entanto que eram terras pertencentes ao Rei de modo que o próprio topónimo perpetuou essa fase da sua história. Além disso, D. Pedro nos seus amores com D. Inês andou por estas paragens, existindo até uma casa muito antiga onde se diz que chegou a pernoitar e de tal modo ficou reconhecido que atribuiu à freguesia certos privilégios como por exemplo o dos seus habitantes só irem à guerra quando o próprio Rei fosse.

     Aquando dos inquéritos mandados realizar em todo o país pelo Marquês de Pombal em 1758, já se falava no Reguengo como uma freguesia que em meados do Séc. XVIII tinha uma abundante produção de pão e especialmente frutas de maçãs de sorte que durante quase todo o ano iam, todos os dias, em muitas cargas para a cidade de Lisboa.

     Em termos administrativos, era uma das quatro freguesias que pertencia ao concelho de Óbidos, tendo passado para o Concelho da Lourinhã depois da reforma administrativa de Novembro de 1836.

     Esta freguesia conheceu há uns anos um período áureo, com um desenvolvimento sociocultural acima da média das outras freguesias limítrofes, de onde se destacava a Estação dosCorreios, a Farmácia, o Médico, coisa que para a época mostrava um certo desenvolvimento. Cedo criou a indústria de extracção de pedra (a conhecida pedra rija do Reguengo que se encontra em muitos ornamentos como por exemplo na igreja matriz da Lourinhã) que mais tarde derivou para a indústria de transformação de mármores. É por excelência uma freguesia rural tendo sido em tempos grande produtora de cereais, dos quais se destaca o trigo, que durante o período de colheitas dava trabalho a cinco debulhadoras. Foi, também, grande produtora vinícola, chegando a ter em funcionamento quatro caldeiras para a queima de vinhos e duas para bagaços, sendo as suas aguardentes de reconhecida procura. Muitos eram os jornaleiros que vinham de outras freguesias trabalhar na agricultura, tendo muitos deles, os que vinham de mais longe, fixado residência na freguesia.




FEIRA E FESTAS ANUAIS

• Feira-Festa "Maio " - Urb. da Junta de Freguesia - Tem a freguesia a sua Feira anual a 20 de Maio de cada ano. É um evento centenário que ao longo de anos foi decaindo, chegando a ser lembrada unicamente pela presença de uma cavaqueira, mas a partir de 1985 revalorizou-se, sendo actualmente um marco de expansão sócio-económico.
Assim, além de feira franca, onde de tudo aparece para comercialização, fazem parte também exposições de artesanato e velharias.
Esta feira é sempre acompanhada de festa que por norma atinge o fim de semana anterior por estar mais perto da data, ou então o posterior.
Durante os dias de festa há sempre grande animação com bailes, jogos tradicionais e, por vezes, actuação de Ranchos Folclóricos, tendo ainda sempre ao dispor um esmerado serviço de Bar e Restaurante.

• Festa em Honra de Nossa Senhora de Fátima - Fontelas - Sempre no último fim de semana de Junho, normalmente com três dias de duração. Como a população é muito devota da Nossa Senhora de Fátima e tendo o sonho de construir uma capela em sua honra, desde 1990 começou a realizar esta festa, todos os anos, com a finalidade de angariar fundos para a sua construção.

• Festa em Honra de S. Domingos - Reguengo Grande - Sempre no segundo fim de semana de Agosto. Desconhece-se a origem da festa, mas sabe-se que é feita ao padroeiro desta Freguesia.

• Festa em Honra do Mártir S. Sebastião - Cezaredas - Sempre no terceiro fim de semana de Novembro, com a duração de três ou quatro dias. Com a finalidade de erigir uma capela ao santo da sua maior devoção, a população deste lugar começou por organizar estes festejos para conseguir fundos para a sua construção.




MONUMENTOS, PARQUES E ESPAÇOS DE CULTURA E LAZER

• Monumento de homenagem aos mortos da Guerra Colonial com pequeno jardim.

• Cruzeiro À Restauração da Nacionalidade (1640).

• Museu Rural - Preservação e divulgação do património cultural da Freguesia. Aberto de Terça-feira a Domingo das 9h às 12h e das 14h às 17h.

• Parque da Urbanização da Junta de Freguesia onde se situam a sede da Junta , Centro de Saúde, Museu Rural, Casas de Artesanato e Velharias, alpendre com carros de tracção animal, outrora utilizados na actividade agrícola, réplica de um Lagar de Vara, Parque de Merendas, Parque Infantil, jardim e parque de estacionamento e ainda uma pequena réplica do que eram as primitivas casas da freguesia.

• Igreja Matriz dos meados do séc. XVIII, sofreu profundas alterações em meados do séc. XX depois de ter sofrido um incêndio que quase a destruiu por completo; Capela de Nossa Senhora de Fátima - Fontelas ; Capela do Mártir S. Sebastião - Cezaredas, Ermida do Sr. dos Aflitos e Nicho da Senhora dos Caminhantes.

Fazem parte, ainda, do património da freguesia dezoito moinhos de vento, duas azenhas e três Pontes Romanas, alguns dos quais em muito mau estado de conservação, sobretudo depois das últimas intempéries que atingiram a freguesia.

• Associação Cultural Desportiva e Recreativa de Reguengo Grande, com sede própria, boas instalações para todo o tipo de espectáculos, onde se faz a festa de Agosto e ainda um Campo de Jogos com as infra-estruturas ainda em construção.

• Centro Social de arte e Cultura é uma associação que promove e dinamiza o Museu Rural da Freguesia.

Os seus montes e vales, de onde se salienta o Vale Cornaga, são zonas de reserva natural de espectacular beleza, outrora muito visitadas por forasteiros que aqui vinham passar férias e que as escolhiam para fazerem os seus piqueniques, estando hoje ao dispôr de toda a população e com elevado interesse turistico diversos passeios pedestres devidamente assinalados. Reguengo Grande é uma freguesia cheia de interesse e com grandes potencialidades para se desenvolver.




LUGARES

CASAL SERRANO

     Casal Serrano é outro lugar da Freguesia, que se situa a Sudeste bem alto e com moinhos em ruínas. Tem uma maravilhosa vista sobre a Serra do Montejunto e do seu ponto mais alto, em dias claros, consegue-se avistar a Serra dos Candeeiros, o que faz deste lugar um sítio muito procurado para a construção de 2a habitação, acabando por vezes, até, por aí fixarem residência.
     Zona muito rica em água, era outrora procurada por habitantes de outras localidades, algumas até longínquas, que aqui se deslocavam para se abastecerem de tão precioso líquido. Conta-se que vinham Lameiros, habitantes de Lamas (Cadaval), com Sírios a S. Domingos, que passavam por esta localidade onde confraternizavam e que no regresso a casa se abasteciam de água. Há inclusive uma parte deste lugar que se chama os Lameiros ou Lameiras, local onde estes eram avistados pêlos casaleiros, que quando os viam gritavam, para avisar o resto da população, ".... Olha os Lameiros !...", preparavam-se, então, as merendas e havia convívio.
     A sua população sempre viveu da agricultura o que ainda acontece hoje em dia, mas tem boas perspectivas de desenvolvimento no aspecto turístico, pois é um local aprazível quer para trabalho quer para lazer e onde se pode desfrutar duma soberba paisagem.


CEZAREDAS

     Lugar de Cezaredas ou Casais das Cezaredas, situados no extremo noroeste da Freguesia, no planalto com o mesmo nome, ergue-se totalmente sobre rochas, com vegetação luxuriante, mormente carrasqueiros, medronheiros, pinheiros e eucaliptos. Da origem do seu nome, sabe-se unicamente que advém da ocupação romana no tempo do imperador Júlio César e que também serviu de refugio ao invasor, aquando das Invasões Francesas.
     Em tempos idos, era ver os seus habitantes, com burros descendo carreiros entre penhascos para irem ao Vale Cornaga, ao "Biqueirão" -nascente de água, para acartar o precioso líquido para o consumo diário. Foi lugar de pastorícia, hoje quase em extinção, onde também se fabricavam queijos que eram transportados em cestos, nos dorsos dos animais de carga, para serem comercializados nas aldeias e vilas mais próximas. Terra de bom vinho tinto que ainda hoje é lembrado por muitos, tem a agricultura um papel importante na sua subsistência, mas ao longo dos tempos tornou-se mais diversificada, com grande incidência na horticultura. Contam ainda com a pecuária como fonte de rendimento.
     No Planalto das Cezaredas são conhecidos os seguintes casais: Casal do Sobreiro, do Arneiro, dos Azeitonas, das Pedras Altas, dos Malagueiros, da Valenta, dos Somas, dos Arrifes, da Serrana, do Tardete, do Vale Pai ou dos Fidalgos.
     Este lugar tem uma Capela ao Mártir S. Sebastião, muito devoto das suas gentes, reconstruída há poucos anos sobre uma antiga Escola Primária desactivada, tem, também, uma Associação - "Associação Recreativa Cultural e Desportiva de Cezaredas, com sede própria, onde se faz a festa anual e outros espectáculos.
     É um local em franca expansão, que à semelhança do Casal Serrano é muito procurado para 2a habitação, levando muitas vezes as pessoas a aí se fixarem, de tão aprazível que é o ambiente quer social quer paisagístico.


FONTELAS

     É uma pequena aldeia do sudoeste da Freguesia que confina do sul com a Freguesia da Moita dos Ferreiros e de oeste com a de S. Bartolomeu dos Galegos. Estendendo-se pelas encostas de uma pequena colina sobranceira ao Reguengo, daqui se pode desfrutar de belas paisagens. Em dias claros, os nossos olhos podem maravilhar-se com a vista da Serra do Montejunto, da Serra dos Candeeiros, da cidade das Caldas da Rainha e até das Berlengas... assim como a de todo o verde envolvente dos seus campos, onde diariamente se labuta pelo pão de cada dia.
     A origem do nome vem de, em tempos, ser terra de abundância de água, onde rara era a rua que não tivesse uma fonte. Apesar de haver poços particulares, cerca de 36, era ver a qualquer hora do dia ou à noitinha, depois da vinda do campo, as mulheres com "quartas" de barro no braço ou à cabeça, em grande equilíbrio, a acartar água para uso doméstico (alimentação, higiene corporal ou do lar) e ainda para os animais. Também era hábito, levar até elas os burros, os bois e matar-lhes a sede.
     Com o pretexto de ir à fonte, era aqui que se arranjavam muitos namoricos, mexericos ou se ficava a par das novidades da ocasião, pois os meios de comunicação eram escassos.
     Agora, fontes são poucas e as que ainda existem pouco têm para oferecer, visto o precioso líquido está a rarear, pois foi muito explorado, para distribuição em rede pública, a todo o concelho.
     Este lugar tem uma Capela a Nossa Senhora de Fátima, inaugurada em Maio de 1995, que foi a concretização de um sonho de 35 anos e tem ainda uma Associação - "Os Unidos das Fontelas" que possui um salão de convívio, onde fazem festas e espectáculos, e um bar.
     É um lugar ameno, de gente hospitaleira, que tinha algumas tradições que deixou perder no tempo, como o "Cantar à Ronda" e "Serração da Velha", mas que hoje em dia é procurado por outras gentes que se encantam com o ambiente e aqui se decidem fixar.


A Aldeia de Reguengo Grande nasceu a 3.Fevereiro.l433. A Freguesia foi criada em 1525, sob a invocação de S. Domingos. Pertenceu ao Concelho de Óbidos até 06.Novembro.1836. 0 Vale Cornaga onde meandra o Rio Galvão era uma zona vital de desenvolvimento. Hoje, selvagem na sua vegetação e penhascos altaneiros concorrem para uma beleza impar, São testemunho real as azenhas em ruínas, pontes romanas e fontes. Da flora, carrasqueiros, oliveiras, medronheiros e vegetação vária, são elementos de enorme beleza. As lavadeiras exerciam os seus usos e costumes nas águas cristalinas do rio e era ver os passeantes deleitarem-se com a água pura das suas fontes.
 
 

 
Loading
  Alcobaça     Alenquer   Arruda dos Vinhos   Batalha   Bombarral   Cadaval   Caldas da Rainha   Leiria   Mafra   Nazaré   Óbidos   Peniche   Sobral   Torres Vedras